Receita de barra de cereal Sua Linda!

Nesse estado de molho, eu acabei ganhando medidas mais arredondadas, mais protuberantes, sabe como é… a corrida levava minhas calorias embora…
Como a época de Sol está chegando resolvi melhorar a alimentação, e estou aqui compartilhando com vocês a minha primeira receita de barra de cereal, antes de publicar no blog, eu ofereci para meus amigos super sinceros do trabalho e todos amaram…

Então vamos a receita:
150gr de amêndoas
50gr de semente de chia
50gr de semente de girassol
100gr de quinua em flocos
50gr de semente de abóbora
100gr de uva passa
50gr de ameixa seca sem caroço
Um pouco de melado ou mel

Modo de fazer

Triture as sementes, meu liquidificador deu conta, mas cuidado! Misture a quinua em flocos (pode ser aveia também tá?), misture tudo bem misturado, aos poucos vá acrescentando o melado, até juntar tudo e virar um bolo….
DSCN1589

DSCN1590
DSCN1592
Depois coloque numa forma untada( na receita mandava colocar papel manteiga mas ‘’numtinha’’, unta bem a forma só com manteiga que tá valendo) deixando a massa na mesma altura, coloque no forno próximo aos 150 graus, e deixe por 20 a 25min.
DSCN1593
Depois que já estiver com as bordas douradas, deixe esfriar na temperatura ambiente e depois coloque no refrigerador por 1h só depois disso você vai poder cortar.

DSCN1595

OBS: minha receita rendeu o suficiente pra mim, por uma semana e meia, acho que é possível colocar mais aveia ou quinua em flocos pra dar mais volume. Isso que eu vou fazer da próxima vez.

Ah a receita eu tirei desse blog: http://wp.clicrbs.com.br/barradecereal/2013/09/08/aprenda-a-fazer-uma-barra-de-cereal-com-chia-amendoas-e-ameixas/

Beijos espero que façam e gostem!

Anúncios

Lesionária

Lesionar é aprendizado de vida viu? Eu era (ou sou?) uma viciada em corridas, e tenho que confessar que fiquei depressivassa depois que lesionei. Foi algo que nunca tinha vivido antes, mas me rendeu algumas medalhas na trilha da vida.

Lesão te ensina algumas coisas, segue aqui algumas, outras lições ainda estão se formando, é um processo…

1- Alguns médicos tratam somente lesão.

Acho a medicina algo extraordinário, umas das profissões mais sublimes que existem. Porém, acredito que quando vc chega no consultório e fala que vc corre, e que ia fazer uma meia-maratona e que não vai mais porque esta com dor, o cidadão de branco deve no mínimo trocar uma idéia com você antes de te mandar ao raio-x, né? Pois é, nem é sempre assim, pago religiosamente plano de saúde, mas cortesia, educação e algumas virtudes básicas devem ter cobrança diferenciada a qual eu desconheço. (_ desabafei). Mas ainda bem que existem os médicos legais, amigos e que tiram as nossas dúvidas e que dizem que no final tudo vai dar certo. Ufa!

2- Limite.
Tudo tem limite? Pois é, infelizmente sim, parcialmente sim. Quer voar na pista com seu tênis novinho, fazer um tempo super fast com recorde mundial pessoal (essa eu peguei da Juliana Fulchetto) e ainda sair linda e sexy na foto, tipo mulher maravilha runner? Não faça como a mamãe aqui que saiu na louca dando tiro, no estilo Quênia. Procure um profissional, faça musculação, pilates, fisioterapia, conheça todos os pormenores do seu corpo, saiba se alongar, aprenda a sossegar seu faixo e respeitar os descansos dos treinos.
To parecendo sua mãe? Pois é, é que eu não ouvi a minha.

3- Ficar de molho

Ficar parado, pode fazer você analisar melhor sua vida. E perceber que existem coisas que você ignora. Ser forte muitas vezes é dominar suas emoções mais baixas, seu sentimento de perda, seu mimimi chato (momento filosofia, não resisti). Aprender a esperar (the God’s time) e ficar bonitinha levando choquinho nos glúteos faz parte do show dos lesionários (de onde tirei isso?)

4- Amigo é coisa pra se guardar

Recebi muito apoio, principalmente de quem não esperava. Helena do blog Correndo de Bem com a Vida sempre manda energia positiva! Regina, Glaucia, Edu, Karine, tudo gente boua que fizeram a diferença.

Postagens dos blogs vizinhos que me ajudaram muito:

http://www.runjurun.com/porque-nao-corri-a-golden-four/

http://correndodebemcomavida.blogspot.com.br/2013/07/correndo-com-lesao.html

e esse do Corre Paula que foi o maior tapa na cara pra quem é ansioso e não respeita seu próprio corpo: http://correpaula.com/2013/08/19/buscar-desafios-x-pular-etapas/

Pois é.

Primeira sessão de Fisioterapia, cheguei toda feliz na clínica, optei por uma clínica próximo ao meu trabalho, desse modo não perco meu tempo com deslocamento.
20 sessões… pensa…
Já parei de reclamar e fazer cálculos, e to aprendendo a confiar nos profissionais que estão me assistindo.
No final da primeira consulta, eu toda feliz perguntei pra fisio:

-Posso correr? – perguntei, já prevendo a resposta.
-NÃO- Respondeu a fisio
-Posso pedalar? – Desejando um sim ardentemente
-NÃO, não pode – enfaticamente disse a fisio.
-Posso nadar? – Que pergunta foi essa, eu não sei nadar, mas se rolar um sim posso aprender né…
-NÃO!
-Posso fazer o que então?
-Caminhar, no plano, devagar.
-OK, obrigada.

Lesão de Labrum

Olá pessoal,

Foi confirmada a minha lesão de labrum no quadril direito.
Para quem não sabe muito bem do que se trata, essa é uma lesão comum em quem corre, e se trata de uma erosão ocasionada pelo impacto, entre o osso do quadril e o fêmur.
Ainda bem que descobri a lesão na fase inicial e tenho grandes chances de retornar às corridas dentro de 90 dias, após de muita fisioterapia (20 sessões) e de retornar à academia (pois é).

Pois é galera, corrida sem fortalecimento muscular, e acompanhamento de um profissional é furada.
Quer correr? Se previna, se informe, lesão é uma coisa muito ruim.

Andar com fé

Já vou pra segunda semana sem correr e já tive vários tipos de sintomas de abstinência, já briguei com minha amiga, já comi barra de chocolate, já chorei.
Agora to na fase de aceitação e esperando o diagnóstico depois da ressonância. Queria esquecer que existe corrida, mas o meu Facebook só tem notícias sobre running.
Ai que condição.
Sem dúvida estou valorizando mais minha saúde.
Para quem vai correr hoje, amanhã, depois, quando quiser desistir lembrem-se que Correr é Poder minha gente, e agora com essa lesão isso esta mais claro pra mim.

Como diria Gilberto Gil: ”Andar com fé eu vou, que a fé não costuma faiar..”, Andar com fé, porque correr tá difí….

Lady Stop!

Sempre me considerei forte, já passei por muitos desafios na minha vida e sou do tipo que não é qualquer coisa que me derruba.
Mas acontece que muitas vezes precisamos nos sentir frágeis para começar a se perceber. Pra mim doença, lesão, suricutico representam isso, uma mudança.
Desde que comecei a correr imaginava que pelo meu porte (1,78) não sofreria nenhuma lesão. Essas coisas aconteciam com as outras pessoas, comigo não!
Tudo começou com os treinos da meia maratona.
Estava bem, tudo ia bem, fluindo, o vento gelado batendo no meu rosto de manhã, eu me sentindo a super corredora com meu Asics e com minha sainha de corrida (super aderi), meu boné rosa, minha toalhinha na cintura, tudo estava saindo na mais perfeita normalidade. Nos dias de tiros, sentia muito medo de não dar conta, mas mesmo assim fazia sempre uns três tiros a mais, afinal de contas eu podia fazer mais três de 400m ou mais dois de 800m, né?
Né não fia.
Comecei a sentir dor, mas pensava que com um alongamentozinho aqui e outro ali eu poderia seguir livremente à caminho da Meia do Rio, e desprezei a dor que tentava gentilmente me alertar sobre as consequências daquela carga toda de treinamento.
Até que uma outra dor na parte posterior da coxa começou, mais um incômodo do que uma dor que irradiava até o final da perna. Ali minha pulga começou a coçar mais, pois eu alongava e o incômodo não passava.
Pedi um contato de Fisioterapeuta e me mandaram consultar um ortopedista. Ali eu já fiquei mais cabreira ainda, ortopedista = osso… ai Jesus, Ave Maria, Nossa Senhora dos Corredores dai-me forças.
Vou resumir, desgaste do osso do fêmur ao tocar no osso da bacia. Na hora que vi o Raio-X fiquei mais tensa do que nunca. O médico me pediu uma ressonância e disse a frase mais horrível que alguém poderia me dizer:
– Vc não pode correr, bicicleta talvez. Vamos aguardar o resultado da ressonância.
images
Aquilo soou como uma porrada na cara. Parar de correr, como é possível?
To aqui mantendo o controle, respirando e esperando os outros exames para ter um parecer final sobre o problema.
Minha esperança é sustentada pelo saber da não gravidade da lesão, isso é um UFA gigante, e mais, outras pessoas já passaram por isso e voltaram a correr após o devido tratamento.
Então caros colegas corredores, cuidem-se, qualquer sinal de dor, procurem um especialista! Não façam como a mamãe aqui que corria sem saber o dia de amanhã…
Um beijo e pra quem pode correr, muitos kms!!

Correr ao meio dia

Semana feliz, cheia de esperanças para a Meia Maratona, muito feliz por ter saúde e por ter a ousadia de querer maiores desafios.
Nessa semana uma coisa muito boa aconteceu, agora tenho chuveiro no trabalho e posso treinar livremente no horário de almoço. eeee, uhulll!!!!
Hoje não consegui levantar de manhãzinha para treinar (drooogaaaa, isso acontece com vcs?), e fiz o treino ao meio dia.
Se tem uma coisa que ainda devo me acostumar é correr no Sol, e mesmo sendo Outono quase Inverno, o Sol de hoje estava lascando, mas foi superável, na metade do treino senti falta de água e não achei nenhuma torneira amiga próxima, corri até o posto da Guarda Municipal e bebi uns goles de água, nunca amei tanto a Guarda Municipal, a vantagem de correr ao meio dia é… humm.. deixa eu pensar .. hehehe Olha, não tem quase ninguém correndo, só uns gatos pingados, tem Sol, e o bronze pega.
Amanhã estarei lá de novo e bora para os tiros!

Planilha e tiros

Antes de pegar a planilha dos 21km tava com medinho. Medinho por conta dos tiros, tiros são necessários em qualquer preparo de prova, e é o que mais dá resultado, porém é a parte mais sofrida portanto a menos legal.
Treinamento será de 12 semanas, e agora na primeira semana 12 tiros de 400m. Levei susto. Mas vambora.
Mas eu sei que vai valer a pena e já estou sonhando com a chegada.
Estou quase decidindo a prova, mas acho que vou fazer a Meia Internacional do Rio de Janeiro.

Próximo desafio

E daí que depois do Volta a Ilha eu caí na preguiça. E no meio da preguiça me veio um pensamento ” Que a preguiça se instala mais ainda no corpo da gente quando não se tem um desafio”.
E daí que estou procurando uma prova de 21km, num dá pra ficar sem desafio…..

Disse que ainda estou procurando….

Minha segunda volta à Ilha

Bem primeiro sinceras desculpaspela demora do update.
O minha segunda volta a ilha foi muito legal. Na sexta feira estava tudo bem coordenado, cada um estava com seu trechinho, só tinha que dormir e estar no local de encontro as 4:30da manhã. Largada era 5:25hs.
A largada é sempre o momento mais emocionante, é ali que o impulso de correr aumenta e sinceramente gosto muito de largadas, não mais que as chegadas é claro.
A equipe largou bem, e meu trecho era o terceiro, nossa enquanto não chegava meu trecho eu estava com uma agoniazinha, não sei bem explicar, ansiedade….
Larguei bem, e conhecia o trecho, mas não lembrava muito bem das subidinhas que tinham no caminho, ai ai, primeira subida legal, fiquei bem, elevou o cardio um pouquinho, segunda subida, é subida é subida, só sei que tinham mais duas subidas, anotei no meu caderninho depois ‘’D. Yara treine subidas e sofra menos ok?’’
Ok, continuei tranquila, aumentei o ritmo pra chegar no final, mas cadê o final? 8km que nunca acabava, quando tava faltando uns 300m avisto Adriano, aprceiro da equipe e chegou comigo até a trica de posto. Quando cheguei, toda acabada, suada, me emocionei, olhei pro mar que refletia o ceu todo rosa (Céu degradê como diz a Paula Narvaez), primeiro trecho concluído, o pace acima do esperado mas tudo certo, eu completei e era isso o mais importante naquele momento.
Segundo trecho era o de Moçambique, e o sol de 13hs estava como num dia de verão, me disseram que a areia era fofa e eu não botei muita fé, tava achando que a água iria bater e depois ia ficar com o solo fofinho, ledo engano, nada durinho, areia fofa mesmo, desembestei a tirar o tênis e fui descalça até a Barra. Missão concluída.
Achei que a prova estava mais linda que nunca, pois realmente Floripa estava muita, muito bela.
Não sabemos ainda a nossa classificação, mas terminamos a prova em menos de 13hs e isso é muito bom.
Grata por mais essa oportunidade e procurando um novo desafio!